Sony_Xperia_S_abre

150 horas testando o Sony Xperia S

Foi a primeira vez que eu tive a oportunidade de olhar mais atentamente o Xperia S.

Não gostei da cor branca, do design quadradão e da faixa “neon” que fica embaixo do aparelho.

Até na parte de trás a Sony inventou um logotipo bolinha meio trash.

Depois fui olhar um modelo na cor preta, que me pareceu um pouco mais bonito.

Por fora design quadrado

Se fosse um lançamento de uma nova linha da Sony eu talvez até não tivesse reparado tanto, mas na minha memória ainda estava um dos melhores smartphones que já tinham caído nas minhas mãos: o Xperia Arc.

O Xperia Arc tem um desenho belíssimo, é muito leve (117g), tem uma ótima pegada e comandos físicos na parte frontal. (Apesar de esquentar tanto como um dia de verão em Palmas ou Cuiabá).

Já o Xperia S que testei me pareceu mais “simples”. Em princípio achei que esta seria uma forma de a Sony reduzir os custos de fabricação.

Ou talvez – pensei – a Sony esteja querendo “popularizar” seus dispositivos móveis, com um design mais despojado e usando peças mais baratas.

Fui conferir nos sites de vendas e vi que o novo modelo não tinha sofrido uma redução de preço.

Além de ser “quadrado”, o Xperia S é fabricado com um plástico rígido liso, e isso dificulta a “pegada”.

Um ponto a favor da sua arquitetura: a dissipação de calor foi resolvida neste modelo.

Por dentro veloz e estável

Foi só ao ligar a máquina que comecei a perceber o que poderia estar acontecendo.

Por dentro, o Xperia S tinha recebido um um upgrade de respeito.

A resolução da tela agora tem 720 x 1280 pixels, com 342ppi. O Xperia Arc que eu tinha testado, 480 x 854 pixels, com 233ppi.

Aumentaram também os números do armazenamento (32GB/interna contra 8GB/cartão); da memória RAM (1GB contra 512Mb); e da câmera (12MP contra 8MP).

O chipset do Xperia S é um Dual-core 1.5 GHz, o do Xperia Arc um 1 GHz Scorpion.

Na prática, com pouco tempo de uso, não se nota muita diferença. Talvez usando por mais tempo e entupindo o HDD com aplicativos talvez isso ficasse mais evidente.

Analisando o Xperia S separadamente ele é – sem dúvida – um smartphone muito rápido e estável.

Android 4 ajuda

Durante o teste foram raros os momentos em que ele travou.

Engasgou ao abrir algumas páginas da web. Mas aí fica difícil dizer se foi a máquina, o sistema operacional, a conexão ou o próprio site.

Comparado ao Motorola Razr, por exemplo, ele até foi mais estável. Só que agora eu vou dar os méritos para o Android.

O Xperia S vem de fábrica com o Android 2.3  (Gingerbread) mas aceita a atualização para o Android 4.0 (Ice Cream Sandwich).

Ótima estratégia da Sony, que deveria estender o upgrade para a versão 4.1 (Jelly Bean).

É bom dizer que, em 2012, as melhorias no Android foram significativas.

Mas ainda tem alguns bugs (defeitos). Sei que o Google tem se esforçado para entregar um sistema mais intuitivo, mas o Android ainda precisa achar a sua identidade.

Depois de baixar uns 20 aplicativos começou a ficar difícil encontrar alguma coisa no Xperia. Se você não for organizado pode se perder com facilidade.

Recursos de sobra

A tela de 4.3 polegadas é um dos seus pontos fortes. O toque é tranquilo, com respostas rápidas.

O desempenho em vídeos e jogos é muito bom. A navegação pela web, uma beleza.

O brilho me pareceu um pouco excessivo, mas você pode corrigir isso nos controles.

O som também é outro item que me chamou a atenção. Ao contrário de muitos smarthphones, ele não é abafado. Dá para rodar vídeos sem precisar usar o headphone.

O Xperia S vem com uma saída HDMI, mas, por incrível que pareça, a Sony não oferece um cabo para esta conexão, como fazia nos modelos anteriores.

Esta redução de custos em um aparelho de mais de mil reais não faz o menor sentido!

Para compensar, o Xperia S vem com A-GPS, porta micro USB, bluetooth, e até um rádio FM.

Mas falta um slot para cartão SD para expansão de memória. Se bem que os 32GB de memória interna, para mim, seriam o suficiente.

Se faltar espaço dá para usar os serviços de armazenagem “na nuvem”, como o DropBox, Google Drive, etc, etc…

Xperia Arc (esquerda): design mais bonito e melhor pegada

Conclusão

Como já falei lá no início, não gostei da troca de botões físicos (como no modelo Xperia Arc) por botões de toque na tela.

O design “mais popular” não me agradou. A falta de um cabo HDMI também não tem justificativa.

Tirando isso, o Xperia S é um smartphone confiável e veloz.

E me agradou o fato de a Sony estar atenta às atualizações do Android. Para mim isso conta muito.

O preço de 1.260 reais coloca o Xperia S na média dos smartphones de outros fabricantes, como Motorola, LG e Samsung.

Acho que se a Sony garantisse um upgrade para o Android 4.1 ganharia muitos novos clientes.

Por último: pessoal da Sony, por favor, tragam de volta o design do Xperia Arc.

[space height=”20″]

[gdl_gallery title=”xperia” width=”180″ height=”135″ ]

[space height=”10″]

///

Paz

J Paz Filho - Sou jornalista, trabalho na produção de conteúdo editorial e na criação, desenvolvimento e manutenção de websites - incluindo e-commerce. Tenho especialização em design gráfico na Unisinos e já fui editor de mais de uma dezena de jornais e revistas especializados. Faça um orçamento enviando uma mensagem no contato; ou por email.

  • Silas

    Meu Xperia S, um belo dia amanheceu pedindo senha. Estranhei, pois o usava simplesmente deslizando o cadeado para a direita. Já tentei de tudo o que encontrei na internet, mas sem sucesso. Tentei incluive a atualização do software via PC Conpanion, mas o programa não consegue acessar a memória.
    Detalhe: ao ligar o aparelho, há um campo no meio da tela com um cursor piscando.
    Alguma sugestão?
    Silas – Maringá/PR

  • Yusk Thamara Thuanny Kauany

    voCê não comentou aqui que ele lê pendrive com o auxilio daqueles cabos pra modem de tablete