Não faz muito tempo o Internet Explorer, o navegador da Microsoft, era o “queridinho” dos usuários. Era.

Nas estatísticas do site StatCounter, usado como referência por outros sites especializados, em 2008 o Explorer tinha 68% do mercado.

O Firefox, da fundação Mozilla, tinha 25%, enquanto o Chrome, do Google, não passava de 1%.

Neste mês (até o dia 23 março) o Explorer caiu para 35%. O Chrome subiu para 30% e o Firefox manteve os 25%.