estadao

Estadão vai digitalizar todas as suas edições

Em 2011 o governo brasileiro anunciou que daria incentivos fiscais para a instalação de fábricas estrangeiras de tablets.

Esta iniciativa até pode facilitar o acesso de mais brasileiros à internet. Mas é pouco. É preciso dar incentivo à produção de conteúdo.

Quer um exemplo do que estou falando? Então dê uma espiada no site da Biblioteca do Congresso Norte-Americano.

Bem mas, pelo menos, algumas empresas de comunicação estão colocando os seus acervos à disposição do público.

A primeira a fazer isso foi o Grupo Folha, com a Folha de São Paulo. Em 2011 colocou na internet o seu acervo desde 1921. São cerca de 1,8 milhão de páginas, incluindo as edições da “Folha da Noite”, da “Folha da Manhã” e da “Folha de S.Paulo”. O acesso é apenas para os assinantes do jornal mas as edições entre 1960 e 2010 ainda estão abertas para não assinantes também.

Agora é a vez do Grupo Estado, com todas as suas edições, em 137 anos. Serão mais de 2,4 milhões de páginas.

Conservador e democrático

O Estadão, como é mais conhecido O Estado de São Paulo, sempre foi um jornal conservador. Apoiou o golpe de 1964 é verdade, mas logo depois também passou a exercer uma forte oposição ao regime militar.

Nos últimos anos o Grupo Estado provocou uma imensa polêmica na web, ao declarar que era totalmente contrária aos blogs. Hoje, no seu portal, existem quase 100 blogs.

Independente das suas posições ideológicas e muitas vezes contraditórias, o Estadão faz parte da história do Brasil e o seu acervo pode ser um importante meio de consulta para todos aqueles que desejem conhecer o nosso país.

///

Paz

J Paz Filho - Sou jornalista, trabalho na produção de conteúdo editorial e na criação, desenvolvimento e manutenção de websites - incluindo e-commerce. Tenho especialização em design gráfico na Unisinos e já fui editor de mais de uma dezena de jornais e revistas especializados. Faça um orçamento enviando uma mensagem no contato; ou por email.