dinheiro_digital

Estudo revela que usuários começam a adotar o dinheiro digital

A pergunta que sempre aparece é: quando os dispositivos móveis irão comandar as transações comerciais?

Para tentar responder, uma organização norte-americana, a Pew Research Center, fez uma consulta com 1.020 especialistas e usuários da internet para tentar conhecer como será o “futuro do dinheiro”. O resultado foi um dos estudos mais completos já feitos sobre o tema, através de um relatório de 35 páginas.

A Pew Research Center descobriu que apenas 12% dos usuários de telefones móveis tinham feito algum pagamento com seus dispositivos. Mas este número sobe para 21% para a utilização de serviços de home banking. E dos usuários de aplicativos, 46% tinham comprado um aplicativo em um dispositivo móvel.

Para entender o futuro do dinheiro, é preciso entender a natureza da moeda. Acima de tudo, o dinheiro, como nós o conhecemos, não é real.

Ou seja, uma fatura ou um cartão de crédito não possuem qualquer valor como objeto. Moeda tem sido, e sempre foi, uma forma de dados.

Compra pela internet ainda é a forma mais tradicional

Compras pelo celular

Agora estamos na segunda evolução digital da moeda: onde a tecnologia móvel e da nuvem, mais uma vez muda a forma como as pessoas fazem as transações.

As transações comerciais eletrônicas estão ficando cada vez mais populares. O uso da internet banking e das compras online são apenas dois exemplos.

Mas existe uma outra forma de usar o dinheiro virtual: através de dispositivos móveis como os celulares e smartphones.

Alguns especialistas consultados afirmam que a principal barreira para a adoção de pagamentos via celular/smartphones ainda é um “apego” às formas tradicionais de troca de valores e o desconhecimento sobre as novas formas de pagamento digital.

Hoje existem dois sistemas predominantes:

1 — NFC, ou Near Field Communication, que funciona como um tipo de código de barras ao contrário (envio de informações via laser, do telefone para um terminal de pagamento).

No final de 2011, o Google lançou o Google Wallet em parceria com o Citibank e MasterCard. Baseado na tecnologia NFC, o Google Wallet permite aos usuários armazenar as informações de pagamento na nuvem e pagar por mercadorias pressionando o seu telefone no momento da compra.

Outras empresas também investem no NFC, como Visa, American Express, MasterCard, PayPal e até a Apple.

Rede australiana de supermercados já usa o código NFC para vendas” virtuais”

2 — QR Code, ou Quick Response, é um código de barras quadrado no qual estão inseridos dados, que podem levar, por exemplo, a uma página da internet, um e-mail, ou a escolha de um produto em um painel localizado em um metrô.

QR Code do Blog do PazEste código precisa ser escaneado e isso quase sempre é feito através da câmera de um celular/smartphone. Uma das causas do sucesso do QR Code está na possibilidade de qualquer um poder criar o seu próprio código.

Este código ao lado foi gerado por mim. Se você tiver um celular e um aplicativo QR Code poderá tirar uma foto que vai levá-lo à página inicial do Blog do Paz.

Mas eu poderia ter criado um código para vender um produto, ou até criar um cartão de visitas virtual.

 

 

Futuro do dinheiro

Segundo o estudo da Pew, 65% dos entrevistados concordaram que em 2020 a grande maioria das pessoas terão adotado o uso de algum dispositivo para fazer compras, eliminando completamente o uso do dinheiro de papel ou do cartão de crédito.

Parece ser muito, mas 35% dos entrevistados ainda acredita que as trocas comerciais continuarão dependentes das formas tradicionais (dinheiro e cartão).

Empresas apostam alto

O uso dos dispositivos móveis é uma mina de ouro para as empresas que gerenciam a troca de valores.

Assim como o Google e o Facebook usam os dados pessoais dos seus usuários para outras vendas “agregadas”, as grandes empresas poderiam usar as informações de compras para “monitorar” os hábitos dos consumidores. E assim oferecer outros produtos e serviços, ou descontos, promoções, fidelização, pontos, etc.

Ainda falta muito

Ao mesmo tempo, os críticos têm apontado uma série de fatores que podem limitar a adoção de pagamentos via dispositivos móveis. Para começar, nem todo mundo vai usar um smartphone.

Outros analistas levantaram questões sobre se as empresas de cartão de crédito irão se afastar do atual sistema rentável no mundo desenvolvido.

Outras preocupações incluem segurança (risco potencial de o NFC ser acessado por hackers), a fragmentação do mercado, a falta de compatibilidade dos sistemas (devido à variedade de plataformas que estão sendo desenvolvidas), e questões sobre se os consumidores vão se sentir confortáveis armazenando os detalhes de suas vidas financeiras na “nuvem”.

O estudo feito pela Pew Research Center não é definitivo, mas leva a algumas conclusões. A primeira delas indica que as formas tradicionais de transações comerciais, como o cartão de crédito, vão continuar a existir. Mas assim como aconteceu com o talão de cheques seu uso pode perder espaço.

Provavelmente isso aconteça sem que as pessoas se deem conta. E certamente os celulares/smartphones serão os dispositivos usados para isso.

///

Paz

J Paz Filho - Sou jornalista, trabalho na produção de conteúdo editorial e na criação, desenvolvimento e manutenção de websites - incluindo e-commerce. Tenho especialização em design gráfico na Unisinos e já fui editor de mais de uma dezena de jornais e revistas especializados. Faça um orçamento enviando uma mensagem no contato; ou por email.

  • BrunoBK

    Boa, paz. O Blog ficou melhor para ver no meu iphone. Daria pra colocar mais informações sobre smarts??