facebook_novo_feed

Facebook muda para aumentar os lucros e não perder mais usuários

A maior novidade do “novo” Facebook é a mudança do layout do feed de notícias (news feed), lançado em 2006.

O feed de notícias é o centro de todas as atividades do usuário no Facebook e o lugar onde a empresa tira os seus maiores rendimentos, vindos da publicidade.

Por trás de todas estas mudanças está a necessidade de a empresa começar a faturar. Leia-se: os investidores querem o retorno dos seus investimentos.

Vale lembrar que as ações da empresa, que foram negociadas por 38 dólares na abertura do seu capital, em maio de 2011, hoje não passam dos 19 dólares.

Novo layout do Feed de Notícias é a principal modificação
Novo layout do Feed de Notícias é a principal modificação

Mais espaço

A cada nova atualização, o Facebook foi ficando mais complicado, confuso e… lento…

Ao apresentar o “novo” layout, no dia 7 de março de 2013, o seu sócio-fundador, Mark Zuckerberg, falou das novas facilidades para o usuário, mas omitiu o principal: o Facebook também está mudando para tentar trazer novos anunciantes e começar – finalmente – a faturar.

Para isso, o Facebook está limpando a interface do usuário, para dar mais espaço para as fotos, mas também para dar mais espaço para os anunciantes, especialmente aqueles que já usam o Google ou compram espaço em revistas.

Mudam também:

>> O Facebook finalmente chega ao mundo dos dispositivos móveis (celulares, smartphones e tablets). O layout deverá ser o mesmo do Facebook para PCs.

>> O álbum de fotos tem novo layout, com fotos maiores.

>> Os links compartilhados trazem informações prévias, para que o usuário possa ter uma visualização sobre o que está prestes a clicar.

>> Vídeos e mapas também ficam mais destacados e maiores.

Perdendo usuários

Quando surgiu, em 2004, o Facebook tinha um conceito inovador: agrupar pessoas e incentivar o compartilhamento de conteúdo.

Era um lugar “cool”, com pessoas que gostam do novo, do diferente, do exclusivo.

Mas agora talvez estas pessoas não estejam mais no Facebook. Sei que muitas delas foram para o Tumblr.

É isso que tem tirado o sono dos acionistas da empresa:

Poderia surgir uma nova ferramenta, com um poder de sedução tão forte quanto tinha o Facebook no seu início?

E estes usuários, os primeiros a aderir ao Facebook, eles teriam força para “arrastar” os outros, aqueles que se ligaram ao Facebook apenas para “não ficar de fora”?

Na minha opinião, a resposta é sim. Com o Orkut já aconteceu isso e quem tomou boa parte de seus usuários foi o próprio Facebook.

O Orkut, aliás, ainda não faleceu. Tem milhões de usuários, agrupados em torno dos seus foruns temáticos.

E assim será com o Facebook. Daqui a alguns poucos anos, não terá mais os mesmos 1 bilhão de usuários; talvez a metade disso, provavelmente agrupados em torno do feed de notícias.

Afinal, que mídia social poderia sobreviver com tantos usuários, por tanto tempo, tendo como a “personalidade” mais “joinha” o apresentador Luciano Huck (7,8 milhões de “fãs”)?

Ou talvez o Facebook venha a sofrer o mesmo preconceito que atingiu o Orkut, considerado hoje um serviço para as classes C e D.

Aposta arriscada, risco calculado

A equipe do Facebook já avisou: as mudanças, que vão ser implementadas nas próximas semanas, serão acompanhadas de perto.

O maior temor é o de que os usuários não “entendam” o novo feed de notícias ou simplesmente desaprovem o novo visual.

Pessoalmente, acho que não há risco nenhum. O atual feed é tão ruim que qualquer modificação, por pior que seja, vai deixá-lo bem melhor do que é.

///

Paz

J Paz Filho - Sou jornalista, trabalho na produção de conteúdo editorial e na criação, desenvolvimento e manutenção de websites - incluindo e-commerce. Tenho especialização em design gráfico na Unisinos e já fui editor de mais de uma dezena de jornais e revistas especializados. Faça um orçamento enviando uma mensagem no contato; ou por email.