anos_70_abre

Os incríveis anos 70!

É fácil idealizar um tempo que já passou. E quanto mais longe, maior a viagem.

Com os anos 70 não poderia ser diferente.

Eu bem me lembro: já existiam bandidos (roubaram a minha Monark quando eu tinha 10 anos).

Nesta mesma época, levaram algumas joias da minha vó e um grupo armado invadiu a rua e atirou na casa do alemão Hantz.

Também havia acidentes de trânsito e atropelamentos. Meu amigo David, filho da dna. Vera da casa da esquina, foi jogado na calçada por um carro enquanto jogava futebol.

Claro, também existiam coisa boas e a principal delas era a liberdade para jogar bola no meio da rua ou dar a volta na quadra de bicicleta.

Censura e violência militar

Não dá para falar nos anos 70 no Brasil sem mencionar o controle que o governo militar impôs ao país.

A censura representou a marca da ditadura brasileira e alcançou o seu auge nos anos 70.

Enquanto nos final dos anos 60 algum tipo de crítica ainda era “tolerada”, nos 70 a censura alcançou o seu nível máximo de irracionalidade.

Para tentar enganar os censores, autores de peças de teatro, jornalistas, cantores, humoristas, cineastas foram obrigados a criar algumas estratégias.

Como o jornal O Estado de São Paulo (que apoiara o golpe de 1964), ao substituir as matérias cortadas por versos de Camões e receitas de bolo.

A censura chegou a um tal nível de paranoia que muitas informações eram descobertas através dos próprios censores, que emitiam notas às redações proibindo a publicação de notícias que nem os próprios jornalistas tinham conhecimento.

A morte do jornalista Wladimir Herzog  nas dependências do 2ª Exército, em São Paulo, em 1975, determinou o começo do fim do regime militar.

anos_70_censura
Censura brasileira: controle sem nenhum critério terminou virando piada
Governo militar vigiava tudo e todos
Governo militar definia o que era bom para o “povo” / Revista Veja / Janeiro de 1970

O Pasquim e o Louvre

Com uns 12 anos eu ia até a livraria du Louvre – que ficava ao lado da igreja São Sebastião comprar o Pasquim. Confesso que a minha maior motivação era ver as mulheres peladas.

Mas depois passei a me interessar pelos textos e pelo material “subversivo” e debochado do Pasquim.

Criado pelo cartunista Jaguar e pelos jornalistas Tarso de Castro e Sérgio Cabral, O Pasquim foi concebido para ser um “jornalzinho” de Ipanema, mas acabou se tornando uma das mídias mais influentes dos anos 70.

Logo nas suas primeiras edições já vendia entre 20 a 30 mil exemplares, chegando a impressionantes 200 mil exemplares, distribuídos por todo o Brasil. Isso no meio dos anos 70.

Ficaram para a história do jornalismo brasileiro as entrevistas com Leila Diniz (a primeira) e Ibrahim Sued — quase todas em bares da zona sul do Rio de Janeiro, turbinadas com muito uísque e palavrões.

Ainda no ano de 1970 toda a redação do jornal foi presa. E nos anos seguintes, os extremistas, ainda mais à direita do regime, explodiram as bancas de jornais que vendiam impressos “alternativos de esquerda”.

O Pasquim não resistiu.

anos_70_o_pasquim
Uma das capas mais famosas: Todo paulista – que não gosta de mulher – é bicha

Monareta x Berlineta

Acredite, na década de 70 os pais “largavam” os seus filhos para brincar na rua.

Era um tempo de muito futebol (Brasil tri-campeão do mundo) e das bicicletas.

As mais cobiçadas eram a Monareta, da Monark, e a Berlineta, da Caloi.

A Monareta era a minha favorita, não só por ter um design mais moderno mas também por e não ter o problema da Berlineta, dobrável, que enferrujava e se partia em dois.

Da minha memória nunca vai sair o dia em que eu perdi a unha do dedão do meu pé direito ao tentar frear “na marra” a minha Monark numa descida de uma das ruas do bairro Petrópolis.

anos_70_monareta_e_berlineta2

Brasília x Chevette x Fiat 147

Eu era fanático por futebol— e por carros. Mais do que eu, só o Tony, irmão do David, que passava o dia mexendo no FNM/Alfa do pai dele.

O Tony tinha quase toda a coleção de 4 Rodas, umas duas pilhas enormes de revistas, que me deixavam fascinado.

Nos anos 70 a indústria de automóveis do Brasil deu um salto, principalmente através dos novos “carros compactos”  (leia-se Chevette, da GM; Brasília, da Volks e Fiat 147).

A Brasília tinha um apelo mais popular, ainda ligado à imagem de robustez do Fusca, enquanto a GM optou por um carro com um conceito um pouco mais “sofisticado”.

Lançado em junho de 1973, a Brasília vendeu 947 mil unidades (fonte: Volkswagem). Foi o primeiro carro, em larga escala, desenhado no país. Acabou em 1982, atropelado pelo Gol.

O Chevette chegou dois meses antes, em abril de 73. Era uma adaptação brasileira do Opel Kedett C, da GM alemã e vendeu cerca de 1,6 milhão de unidades (fonte: GM do Brasil).

O carrinho da Chevrolet foi produzido até 1993, quando saiu de linha para dar lugar ao primeiro Corsa.

O Fiat 147 apareceu um pouco depois, em 76. Era uma novidade no Brasil, até então dominado pela Ford, GM e Volkswagen.

Com uma forte campanha publicitária, o primeiro Fiat brasileiro vendia bem, até o consumidor descobrir que o carrinho tinha um câmbio simplesmente medonho.

Por muito pouco ele não acabou com a imagem do fabricante italiano no Brasil.

anos_70_brasilia_x_chevette

Corcel x Passat

Esses dois modelos também  fizeram história nos anos 70.

Quando meu pai comprou um Corcel quatro portas foi uma festa.

O Corcel (1968/1985), foi o primeiro carro médio da Ford e surgiu para ocupar um espaço na “nova classe média”, do “milagre econômico” do governo militar.

Já o Passat, da Volks (1973/1988), outro veículo médio, era um veículo muito mais moderno, voltado ao público jovem.

O Passat TS, “esportivo” era o sonho de quase todo o público masculino entre os 18 e os 30 anos.

anos_70_corcel_x_passat

Afiador de facas, casquinha e o sorveteiro

Muito antes das facas Ginzo 2000 e dos afiadores da Tramontina, existia um profissional que anunciava o seus serviços tocando uma gaitinha de boca.

Mesmo na década de 70, o afiador de facas já era uma figura meio deslocada no tempo. Afinal, a classe média já podia comprar uma dúzia das modernas facas de serrinha – que dispensavam a “afiação”.

Eu não tenho bem certeza da origem do vendedor de casquinhas, aquela massa enrolada, bem fininha, feita de água, farinha de trigo e açúcar.

Mas em quase todo o Brasil ele trazia um imenso cilindro preso ao ombro por uma tira de couro, batendo um ferro numa placa de madeira que trazia nas mãos para anunciar o produto.

Finalmente, o sorveteiro. Da Kibon, é óbvio. O som inconfundível da corneta era o terror de todos os pais, principalmente quando tocava antes da hora do almoço.

Os principais produtos eram o picolé de chocolate, o Chicabom, o Eskibon e o meu preferido: o copinho Carioca (meio chocolate/meio creme), que vinha com uma pazinha de madeira.

anos_70_afiador_de_facas_casquinha_sorveteiro

Moda esquisita

Espero que nunca mais volte o mal gosto estético dos anos 70.

Quem pode achar bonito a combinação entre uma calça boca de sino, uma camiseta curtinha, mostrando a barriga e sapatos imitando couro de jacaré? Num homem!

Nem vou falar dos coletes, dos sapatos de salto alto, paletós xadrez e das costeletas.

 

Veja: Os Incríveis anos 70 – Roupas, calçados, acessórios

 

anos_70_moda

Pornochanchadas e sexo

Foi duro ser um pré adolescente nos primeiros anos da década de 1970 no Brasil militar.

O nu frontal era totalmente proibido. Seios? Só um. Não… eu escrevi certo… seios só eram permitidos se aparecesse apenas um “exemplar”.

O único meio de expressão na qual era admitido “algo mais” era o cinema.

Surgiu assim a pornochanchada, filmes soft, produzidos na “Boca do Lixo”, no centro de São Paulo.

anos_70_pornochanchadas

Música brega x MPB

O mercado da música era dividido basicamente entre a música brega (Odair José & cia), a MPB (Chico Buarque, Caetano, Gil & cia)  e as “românticas” (Roberto Carlos & cia).

Uma Vida Só, ou mais conhecida como “Pare de tomar a pílula”, cantada por Odair José, foi o símbolo dos anos 70.

Defendia o direito da mulher em não tomar a pípula, “por que ela não deixa nosso filho nascer”. Puxava o saco, ao mesmo tempo, dos militares e da ala conservadora da Igreja Católica.

Do outro lado, a MPB fazia o papel de crítica ao regime.

Assim, Angélica, de Chico Buarque, pode ser considerada o contra-ponto de Pare de tomar a pílula.

A música fala de Zuzu Angel, estilista carioca que teve o filho, Stuart Edgart Angel Jones, torturado e morto na Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro.

Stuart foi amarrado e arrastado por um jipe militar, com a boca no cano de descarga do veículo, no pátio interno do quartel.

Link para a apresentação de Odair José no programa Na Moral, apresentado por – Pedro Bial – na rede Globo – é claro!

Cigarros, um raro prazer!

Quem não fumava era bundão. Quem não experimentasse um bagulhinho (cigarro de maconha) era cagão.

Os 70 representam o auge da indústria tabagista e do consumo de cigarros no Brasil.

Era para gente que sabe o que quer (Minister), era o sucesso (Hollywood), um  lugar de aventura e liberdade (Marlboro).

A propaganda era liberada e, acredite, muitas vezes associada ao esporte! Tanto quanto hoje a cerveja é ligada ao futebol (outro absurdo).

Havia cigarros fininhos (More e Chanceler); cigarros com menta (Consul): longos (Charm); populares (Continental, Hollywood, Vila Rica); de baixos teores de nicotina e alcatrão (Galaxy).

Nada ficou tão marcado nesta época quanto o comercial dos cigarros Vila Rica, na qual o tri campeão de futebol Gérson aparecia dizendo: “gosto de levar vantagem em tudo, certo?” –  que ficou marcado como a “Lei de Gérson”, o brasileiro sem ética, que faz qualquer coisa para ter o que deseja. Uma crítica bem injusta, já que a frase pode ter outras interpretações também.

anos_70_cigarros

Não deixe de ver também:

Os incríveis anos 70 — Brinquedos

Os incríveis anos 70 — Roupas, calçados, tênis, acessórios

Os incríveis anos 70 — Aparelhos domésticos

Os incríveis anos 70! – Carros brasileiros

Os incríveis anos 70 — Marcas, lojas e empresas brasileiras que não existem mais

Os incríveis anos 70 – Programas de tv

Os incríveis anos 70 – Comidas e bebidas

///

Paz

J Paz Filho - Sou jornalista, trabalho na produção de conteúdo editorial e na criação, desenvolvimento e manutenção de websites - incluindo e-commerce. Tenho especialização em design gráfico na Unisinos e já fui editor de mais de uma dezena de jornais e revistas especializados. Faça um orçamento enviando uma mensagem no contato; ou por email.

  • Parabéns pelo post. Os anos 70 foram ricos em tudo: música, tv, moda, história e muito mais. Vale sempre a pena ler bons conteúdos como o seu. Também indico http://ano70.com.br.