andressa_urach_midia

Saiba por que a mídia lucrou com morte de Andressa Urach

Claro, como todo mundo sabe, Andressa Urach não morreu, e nenhuma pessoa que tenha o mínimo de sensibilidade desejaria que isso acontecesse. O título deste post apenas quer demonstrar como a mídia no Brasil trata certos assuntos. A notícia da sua “morte” gerou muito lucro.

A informação não estava errada; ela realmente esteve muito mal. O que não está certo é o jornalismo — especialmente o da tv — tentar forjar algumas informações apenas para turbinar a sua audiência. Andressa Urach faz parte de uma nova tendência da tv aberta: a promoção de subcelebridades.

Que começou com o Big Brother Brasil e chegou até A Fazenda. São quase todas pessoas de cultura limitada, jovens, que se sujeitam a quase tudo para virarem “notícia”.

oo_aualeotdocs150104_05

E a notícia sobre a “quase morte” de Urach no mundo da mídia sensacionalista e de fofocas tem muito mais impacto do que o estado de saúde do Papa na mídia “tradicional”.

Morre, não morre, amputa uma perna, os rins param de funcionar… Links de quase todas as grandes redes de tv geraram informações ao vivo sobre a vida de Andressa.

Fome com a vontade de comer

Pelo ponto de vista das emissoras, as subcelebridades custam quase nada e,  assim,  podem gerar um enorme retorno financeiro. Mais: não incomodam, não reivindicam e se sujeitam a terem a sua vida invadida por um punhado de dinheiro e de fama.

A falta de noção chegou ao ponto de Urach postar fotos da perna infeccionada (foto acima)  e, em outra, um coraçãozinho com as mãos, momentos antes de entrar na UTI.

Depois, as próprias emissoras criticam as suas criaturas pelos excessos que cometem, como a loucura de injetar substâncias proibidas, com subprofissionais em subclínicas que se espalham pelo país.

O lado bom

A internação de Urach é notícia sim, é evidente. E serviu para alertar sobre os exageros das intervenções  estéticas.

Para ser mais justo, muitos TV e jornais foram além do óbvio e mostraram os riscos destas cirurgias e o absurdo que virou a tirania da estética no Brasil.

///

Paz

J Paz Filho - Sou jornalista, trabalho na produção de conteúdo editorial e na criação, desenvolvimento e manutenção de websites - incluindo e-commerce. Tenho especialização em design gráfico na Unisinos e já fui editor de mais de uma dezena de jornais e revistas especializados. Faça um orçamento enviando uma mensagem no contato; ou por email.