sony_s2

Sony anuncia um tablet com duas telas

Difícil entender a estratégia das grandes empresas no mercado dos tablets. Uma tablet com duas telas? Seria uma mistura de Nintendo DS com iPod Touch?

Bem, você poderia dizer que isso é uma solução bem interessante. Mas se estiver acostumado aos jogos do PlayStation, pode esquecer.

Não vai encontrar neste tablet os chats, nem a opção de comprar filmes ou algo semelhante.

E para comprar jogos do PlayStation é necessário o uso de um armazenamento separado, desatualizado e sem a presença de clássicos como Bater Bandicoot e Wild Arms.

O “problema” é que o novo tablet da Sony roda o Android 3.0 e todos os jogos disponíveis obviamente serão jogos desenvolvidos para esta plataforma. E para quem está acostumado com o PlayStation isso é no mínimo estranho. Mesmo assim, é bem provável que a Sony acrescente alguma personalização a esta interface.

As duas telas sensíveis ao toque do S2 tem 5,5 polegadas cada uma (resolução de 1024px × 480px) e o design dobrável permite que ambas sejam usadas independentemente, para mostrar diferentes funções, ou em conjunto para navegar por websites e outras tarefas.

Sony S1, o irmão maior

Já o S1 veio para enfrentar o iPad 2 e, portanto, tem com uma configuração semelhante aos concorrentes do tablet da Apple: um processador Nvidia Tegra 2 de dois núcleos, conexões Wi-Fi e 3G/4G, duas câmeras e uma tela de 9.4 polegadas. Rodando o Android 3.0, é claro.

Pelo design — visto através das imagens distribuidas pela Sony — pode-se ver que o S1 será bem fino, talvez o mais fino do mercado. A parte frontal avança até a parte de trás, formando um belo desenho.

Além do aspecto visual, esta “dobra” ajuda a deslocar o centro de gravidade para as bordas do dispositivo. permitindo mais conforto ao usuário. Fora isso, este ângulo formado pela parte traseira ajuda em muito o toque na tela ao se colocar o tablet em uma superfície plana.

S1: sem surpresas nas configurações, mas com um belo design

Qual a surpresa da Sony agora?

Bem, é impossível fazer qualquer análise mais profunda sem antes comentar as estratégias da Sony em relação aos seus produtos e serviços.

Para isso precisamos voltar um pouco no tempo e relembrarmos o que aconteceu em 2005: a Sony colocou uma cópia de proteção no seu software de músicas que abria vulnerabilidades no Windows. Foi um escândalo, uma pisada na bola que manchou a imagem da empresa .

E esta mentalidade parece estar presente outra vez através do Qriocity, um streaming de música e vídeo lançado pela Sony no ano passado. Criado para ser um concorrente direto do iTunes, o Qriocity está temporariamente fora do ar, devido a uma invasão de hackers, que teriam roubado informações de usuários. Desta vez a empresa apontou “fatores externos”, depois de dois dias sem informar nada aos seus usuários.

Empresa quer ser a vice-líder

As pretensões da Sony não são nada modestas, e acompanham as mesmas metas dos demais concorrentes: conquistar o segundo lugar em vendas, no mercado dominado pela iPad da Apple.

A Sony ainda não liberou mais informações sobre os dois produtos, mas já revelou que pretende lançá-los em outubro.

A estratégia inicial da Sony era a de equiparar o preço do S1 ao iPad 2, mas ao que tudo indica este valor vai ficar mesmo em 599 dólares (modelo Wi-Fi).

Os S1 e S2 ainda não tem um nome oficial, mas podem receber o nome de PlayStation Tablet.

Conclusão

É bom lembrar que a venda dos tablets representa apenas um parcela do faturamento para os seus fabricantes. A galinha dos ovos de ouro está mesmo na venda de aplicativos. Ou, no caso da Sony, música, vídeos e jogos.

Assim, a Sony aposta em um pacote que inclui, além dos seus tablets, a venda paralela de outros serviços. Junto a isso a empresa japonesa pretende manter os usuários que já possuem outros dispositivos da marca, como os consoles PlayStation e as tvs Bravia.

Resta saber qual vai ser a estratégia da Sony para atingir novos usuários e alcançar o segundo lugar na venda de tablets.

///

Paz

J Paz Filho - Sou jornalista, trabalho na produção de conteúdo editorial e na criação, desenvolvimento e manutenção de websites - incluindo e-commerce. Tenho especialização em design gráfico na Unisinos e já fui editor de mais de uma dezena de jornais e revistas especializados. Faça um orçamento enviando uma mensagem no contato; ou por email.