Bem, até aqui eu já redigi inúmeros artigos sobre tablets de grandes fabricantes: Apple, Samsung, Motorola, LG, Amazon, HTC.

Mas porque não considerar também os tablets Xing-Lings?

Em primeiro lugar vamos explicar o que é Xing-Ling: uma forma depreciativa de se referir aos produtos baratos vindos da China.

Mas no fundo também representa uma batalha dos gigantes da indústria de informática (leia-se norte-americanos), preocupados com uma concorrência tão forte e que pode representar uma queda nas suas vendas.

Isso já aconteceu quando as primeiras motherboards fabricadas na China começaram a chegar no mercado brasileiro, há uns 10 anos.

Dizia-se que eram ruins, usavam material inferior, eram defasadas. Hoje se vê que não era bem assim. As placas chinesas de primeira linha comprovaram ter uma ótima qualidade.

Quer fazer um teste? Vá em loja de informática de um Shooping Classe A e veja se não estão vendendo placas “made in China”.

Vale lembrar que o principal parceiro da Apple é uma empresa chinesa: a Foxconn. E que uma das maiores fabricantes de laptops é outra chinesa: a Lenovo.

Mas, antes de comprar um tablet chinês é preciso pesquisar. Os mais baratos ficam na faixa dos 100 dólares. São ruins? Não dá para dizer sem analisar o fabricante e as configurações.

Um “iPad” que roda Windows

O “capitalismo” chinês também nos reserva coisas estranhas, como o Teso, um clone do iPad.

Esse tipo de concessão do governo chinês a alguns de seus fabricantes detona a imagem das empresas sérias da China.

O mais irônico nesta história é que o Teso é um tablet bem interessante, e tem até algumas características superiores ao iPad, como uma câmera de 1,3 pixels, duas portas USB e memória de 2GB.

Mas comercializar um “iPad” que roda Windows aí também já é demais.

Isso não quer dizer que todos os tablets chineses não prestam. Eles não são o iPad. Seria o mesmo que comparar um Fiat Palio a um Honda Civic.

A Eken, por exemplo, é uma empresa de alta tecnologia com uma linha bem completa de tablets. E não é uma empresa de fundo de quintal não; sua capacidade de produção de tablets é de 1,2 milhão de unidades.

Acompanhe este artigo sobre o Eken M003S e decida se vale a pena comprar um tablet chinês  >>>>