hptouchpad_final2

TouchPad x iPad 2: vale a pena escolher o tablet da HP?

Tabela comparativa completa

Comparativo iPad 2 x HP TouchPad

Apple iPad 2 Wi-Fi HP TouchPad Wi-Fi
Tela 9.7 polegadasLED – backlit 9.7 polegadasXGA
Resolução 1024 x 768 pixels132 pixels p/polegada 1024 x 768 pixels
Peso 601 g 740 g
Dimensões 241.2 mm x 185.7 mm x 8.8 mm 240 mm x 190 mm x 13.7 mm
Duraçãoda bateria (*1)(vídeo) 10 horas  (*)
Wireless Wi-Fi (802.11a/b/g/n)Bluetooth 2.1 + EDR Wi-Fi (802.11b/g/n)Bluetooth 2.1 + EDR
Browser Safari browser
CâmeraFrontal VGA (640 x 480) 1.3 megapixels web cam
CâmeraTraseira  — Não
Vìdeo 720p / 30 quadros/p.seg.
Cartão SD
SistemaOperacional (*2) iOS 4.3 HP webOS 3.0
Processador 1 GHz dual core Apple A5 1.2 GHz dual-CPU APQ8060Qualcomm Snapdragon
Armazenamentointerno SSD 16 GB, 32 GB, e 64 GB 16 GB e 32 GB
Sensores Acelerômetro, sensor de luz ambiente,giroscópio Acelerômetro,  sensor de luz ambiente,giroscópio
GPS Sim Sim
Aplicativos Apple App Store  webOS Store
Roda Adobe Flash? Não Sim
Na caixa iPad 2 (é claro!)Cabo com conector para USBCarregador USB de 10WDocumentação HP TouchPad (é claro!)Cabo com conector para USBCarregador USB de 10WPano para limpezaDocumentação
Preço R$ 1.649,00(modelo Wi-Fi 16GB) 499,99 dólares(modelo Wi-Fi 16GB)
Vendas Desde 26 de maio Desde 1° de julho

Está cada vez mais difícil a vida para os concorrentes do iPad. Tanto isso é verdade que os fabricantes rivais vacilam na hora de lançar seus tablets.

A própria HP vem desenvolvendo seu produto a mais de 5 anos e seu lançamento só aconteceu agora, neste 1º de julho. E sem muita publicidade.

Tudo pelo social

Mais justo seria comparar o HP TouchPad com os tablets que rodam Android, como o Samsung Galaxy 10.1 e o Motorola Xoom.

Nesse caso, o TouchPad seria um concorrente de respeito. Por uma razão muito simples: o webOS tem se mostrado melhor do que o Android Honeycomb.

E tem mais: o sistema operacional do tablet da HP foi pensado sob medida para quem está sempre sempre ligado nas redes sociais e no compartilhamento de fotos, músicas e vídeos. E esta pode ser uma boa motivação na hora da compra.

Sempre o iPad…

Mas o iPad está aí, e passou a ser uma referência na comparação com novos produtos.  (Os números impressionam: a Apple é dona de 74% do mercado de tablets, já vendeu mais de 25 milhões de unidades e sua loja de aplicativos para iPad acaba de alcançar a marca dos 100 apps). Fonte: Canalys Research

Então, a pergunta que vem logo é: o HP TouchPad tem ferramentas para competir com o tablet da Apple?

Vamos analisar seus principais recursos:

Dimensões/peso

Para começar, é preciso dizer com todas as letras: este HP é meio pesadão. Bem, para justificar isso seu preço é menor então? Também não é, você paga por ele o mesmo que pagaria pelo iPad (500 dólares).

A minha conclusão é a de que a HP resolveu concentrar todos os seus esforços no sistema operacional webOS. O tempo vai dizer se ela está com a razão.

linha

Câmeras

Para complicar, a HP decidiu eliminar algumas características comuns em outros tablets. Não tem câmera traseira para fotos, ou para gravação de vídeos. Apenas uma webcam frontal.

É bem verdade que isso não tem grande importância, e ninguém deveria escolher um tablet pela câmera. Mas também não deixa de ser um item a menos em relação à concorrência.

linha

Bateria

Outro ponto negativo é a autonomia de sua bateria: não chega a 60% da capacidade do iPad. Segundo testes realizados pela seção de tecnologia do Wall Street Journal, enquanto o iPad alcança 9 horas rodando continuamente um vídeo na conexão Wi-Fi, no HP não passaria de 6 horas.

linha

Processador

O coração deste tablet estampa um poderoso Qualcomm Snapdragon, com 1.2GHz. Mas não se entusiasme: isso não significa obrigatoriamente um tablet muito mais veloz. A Apple oferece um processador de “apenas” 1GHz, mas o iPad entrega um desempenho maximizado para quase todas as principais tarefas (navegar pela web, rodar vídeos e games, etc).

linha

Aplicativos

Ao escolher um sistema operacional “caseiro” (o webOS), a HP sabia das dificuldades que teria em relação à oferta de seus aplicativos, na comparação com o que é oferecido pelas lojas da Apple e do Google.

Agora isto está escancarado: enquanto a Apple chega aos 100 mil aplicativos para iPad, a HP entre no mercado com míseros 300 apps. A empresa até pode argumentar que possui mais de 6 mil aplicativos, mas quase todos direcionados para rodar em smartphones. E o pior: apenas 70% destes podem rodar em tablets.

Um de seus aplicativos mais importantes, o QuickOffice tem capacidade para ler documentos, mas não para editá-los (como acontece no iPad).

Falta ainda um aplicativo para vídeos streaming (para filmes ou programas de TV). A HP ainda não oferece uma loja para baixar músicas e vídeos, mas este recurso está prometido para ser lançado em breve.

Não deu outra: no dia 16 de agosto a HP comunicou que tinha desistido do sistema webOS.

linha

Navegação

Navegar pela web com o HP é uma boa experiência. A menos que você estiver usando o Flash. Neste caso ele pode ter a conexão truncada ou até mesmo travar. Novamente, como falamos acima, são problemas que não deverão ocorrer no tablet  final.

linha

Sistema operacional/interface: está aqui o seu ponto forte

É claro que para entrar em um mercado tão competitivo a HP teria que apresentar algum diferencial. E ele está aqui, na sua interface. Veja no vídeo abaixo.

A tela do webOS não trabalha com o conceito de ícones. Em vez disto, usa quadros (janelas), algo muito semelhante ao novo Windows para tablets.

Na comparação com o Android Honeycomb o webOS parece ser bem mais organizado e intuitivo. E isso não é pouco. Diria mais: é um dos itens mais importantes na escolha de um tablet.

Os aplicativos ficam nestas janelas. Ao tocar em uma delas, o aplicativo enche a tela e está pronto para ser usado. De resto, trabalhar com elas é bem intuitivo, sem complicações.

A idéia é interligar as tarefas. Uma janela de fotos, por exemplo, pode estar vinculada ao Facebook.

linha

Pós-venda

A HP possui uma estrutura sólida no Brasil, afinal foi uma das primeiras empresas de fora a vender produtos de alta tecnologia no país. Mas estamos falando de PCs, Laptops e impressoras. Com relação ao TouchPad não se sabe nada ainda.

Já a estratégia da Apple é bem diferente. Dá um certo apoio a toda a sua linha de produtos, e investe pesado nos dispositivos móveis (iPhone, iPod Touch e iPad). Sua montadora está sendo construída em São Paulo, o que facilita a garantia no caso de troca de peças, etc.

linha

Bugs

Está certo que estas primeiras versões testadas ainda fazem parte de um protótipo, mas nada justifica alguns “crashes”: aplicativos que não mostram o conteúdo de emails; fotos que não aparecem; games que travam a toda hora. Seria um problema do hardware ou dos sistema operacional?

A HP com certeza deve resolver estes problemas nos produtos colocados à venda.

linha

Conclusão

As críticas feitas por especialistas tem sido duras. Quase todas elas em relação à falta de aplicativos.

A aposta em um sistema operacional próprio e exclusivo pode se revelar como uma grande estratégia da empresa norte-americana. Se não der certo também pode ser o fim do seu tablet.

Mas também não podemos ser precipitados. A HP é uma empresa muito forte e poderá, aos poucos, solucionar esta falta de aplicativos. Por exemplo: oferecendo estrutura e um bom retorno financeiro para os desenvolvedores (pequenos ou grandes). Ganhando assim uma fatia de mercado ainda não explorada pela concorrência.

Só que para isso a HP precisar, no mínimo, acreditar no seu produto.

Na site da HP Brasil o TouchPad não existe. E isso pode ser apenas um indício de que a empresa realmente não acredita muito no seu produto.

Mesmo no hotsite da HP o tablet não recebe o tratamento digno de um grande lançamento mundial.

(*) segundo testes do Wall Street Journal a bateria do tablet da HP não passaria das 6 horas de autonomia

///

Paz

J Paz Filho - Sou jornalista, trabalho na produção de conteúdo editorial e na criação, desenvolvimento e manutenção de websites - incluindo e-commerce. Tenho especialização em design gráfico na Unisinos e já fui editor de mais de uma dezena de jornais e revistas especializados. Faça um orçamento enviando uma mensagem no contato; ou por email.