Finalmente a Microsoft se rendeu ao iOS da Apple. Sai aquela interface rígida das janelas, e entra uma navegação fluida, mais adequada aos dispositivos touchscreen.

Pelo vídeo de apresentação distribuído pela Microsoft o novo sistema operacional me pareceu muito bom. Encontrar os programas favoritos, navegar pela internet, acessar as redes sociais, como o twitter e o facebook, agora fica bem mais fácil.

A tela principal, denominada “start screen”, traz vários quadros que substituem as tradicionais e manjadas janelas, que acompanham o sistema Windows desde o século passado. Estes quadros substituem o menu iniciar e os ícones do desktop.

Muitas outras novidades também estão embutidas nesta nova versão do Windows. Entre elas o novo Explorer 10, otimizado para o toque, e o uso da linguagem HTML5, que amplia em muito os recursos de navegação na web.

Para os amantes do pacotão Office uma boa notícia: o novo Windows rodará, sem problemas, o Word, Excel, PowerPoint, etc.

Tudo junto misturado

Se eu pudesse definir com apenas uma palavra a estratégia da Microsoft para o Windows 8 ela seria compatibilidade.

Um exemplo foi a apresentação do novo SO, feita em uma tela touchscreen. Mas o sistema da Microsoft foi desenvolvido para rodar em qualquer dispositivo, como PCs, smartphones e tablets, é claro.

Segundo a empresa, o Windows 8 também é compatível tanto com os processadores tradicionais x86, da Intel e AMD, como os processadores ARM, presentes nos smartphones e tablets. Periféricos, como impressoras, mouses, etc, também entrariam neste pacote de compatibilidades.

Regime forçado

A Microsoft não deu mais detalhes, mas pelo que pode ser visto neste vídeo de apresentação o Windows 8 será muito mais “leve” do que seu antecessor, Windows 7. Provavelmente a estratégia será a mesma já usada em outros lançamentos: várias versões do Windows, de acordo com o dispositivo no qual rodará.

Prova disso foi a informação dada pela Microsoft: quem já possui o Windows 7 não precisará trocar de máquina para rodar o Windows 8.

A data de lançamento ainda não foi definida pela Microsoft, mas especula-se que o novo Windows deva chegar ao mercado somente em 2012.

Bem, resta agora apenas esperar pelo lançamento oficial do novo Windows. É preciso comprovar que um único sistema operacional seja capaz de rodar em tantos dispositivos e processadores diferentes. Mas se for realmente capaz disso tudo será um grande acerto da tão criticada Microsoft.