windows_phone_marketplace

Windows Phone mostra as suas armas

Demorou, mas a Microsoft finalmente concluiu que o Windows para desktops não serve para dispositivos móveis.

A primeira tentativa, o Windows Mobile, era lento e cheio de bugs (erros).

Agora não. O Windows Phone 7  foi desenvolvido para rodar em smartphones. Isso significa que ele é bem mais simples e leve do que o antigo Mobile.

A primeira grande surpresa é a sua área de trabalho, mais limpa e sem exageros, uma marca registrada dos sistemas operacionais criados pela Microsoft.

A tela de abertura privilegia os widgets, os quadrados maiores, em vez dos ícones menores. Os widgets, ou “hubs” como a Microsoft prefere chamá-los, são atalhos para os principais serviços usados pelos usuários atualmente, como emails, mídias sociais, feeds e serviços da própria Microsoft, é claro (hotmail, msn, etc).

Mas o principal talvez seja a integração entre o Windows Phone e os computadores que utilizam as inúmeras versões do Windows. Na teoria o usuário vai poder trocar arquivos do tipo Office (Word, Excel, Power Point) sem problemas de compatibilidade. Tudo com sincronização. Ou seja, as mudanças feitas em um arquivo do smartphone estarão prontas ao se abrir o mesmo arquivo no desktop.

Aplicativos

O maior problema de todos os sistemas operacionais que vieram depois do iOS do iPad foi a oferta de aplicativos. O Android do Google até que vai bem nos apps para smartphones (mas patina até hoje nos seus apps para tablets).

A Microsoft pretende vencer esta dificuldade oferecendo um kit descomplicado para desenvolvedores de aplicativos.

Loja brasileira do WindowsPhone

Parcerias

No campo do hardware a Microsoft aposta na parceria com grandes fabricantes em ascensão (HTC, Samsung, LG) e especialmente com a Nokia, que deseja desesperadamente reconquistar a liderança perdida nos últimos anos.

Identidade

Além da interatividade com outros sistemas operacionais Windows, o Phone 7 buscou manter a experiência dos usuários antigos, e incluir um layout bem mais simplificado.

A maior – e boa – novidade é a forma como funcionam os widgets (ou hubs), que ficam ativos enquanto o usuário estiver online. Um exemplo: você pode acompanhar emails não lidos, novas mensagens, twitter, facebook, etc…

Futuro

Na teoria o Windows Mobile pode vir a ser um ótimo sistema operacional. Na prática é preciso ver se esta interatividade com os serviços da Microsoft (como os programas do Office) vai dar certo, já que um aplicativo como o Word para dispositivos móveis (como um smartphone) deverá ser bem mais simples do que um programa Word pesadão do Windows para desktop.

 

///

Paz

J Paz Filho - Sou jornalista, trabalho na produção de conteúdo editorial e na criação, desenvolvimento e manutenção de websites - incluindo e-commerce. Tenho especialização em design gráfico na Unisinos e já fui editor de mais de uma dezena de jornais e revistas especializados. Faça um orçamento enviando uma mensagem no contato; ou por email.