XO3_traseira2

XO-3, o tablet de 100 dólares para estudantes

O anúncio do seu lançamento será feito nesta semana por Nicholas Negroponte, fundador e presidente da organização One Laptop per Child (OLPC), durante o Consumer Electronics Show (CES 2012), em Las Vegas.

Bem, se você ficou entusiasmado saiba que o XO-3 vai ser distribuido, por enquanto, apenas ao setor educacional.

Movido à manivela

O tablet terá de 8 a 10 horas de vida útil da bateria, “embora a gente possa optar por uma menor capacidade de bateria para reduzir o preço de compra”, disse Ed McNierney, diretor de tecnologia da OLPC.

Um recurso inovador é a possibilidade de se usar uma manivela para gerar energia. Esse é um dos aspectos diferenciados já que o XO-3 foi concebido também para ser utilizado em áreas remotas, sem eletricidade.

Também será produzido um modelo com uma cobertura composta de pequenos painéis solares, que podem ser destacados do corpo do tablet.

Segundo McNierney, as baterias internas podem ser carregadas “por qualquer coisa que produz corrente contínua”.

Configuração: até que não decepciona

O XO-3 não é tão fino como aparece nas primeiras fotos distribuídas pela OLPC. Na verdade ele tem a espessura semelhante à maioria dos tabletões de 10 polegadas.

Na parte de trás o tablet é revestido por uma capa de borracha (aliás, como todo tablet deveria ser construído).

Na parte de baixo estão as portas USB, micro USB, fone de ouvido e microfone, além da entrada de energia.

Duas opções de tela

A OLPC vai oferecer ainda dois tipos de tela, as duas com 8 polegadas: uma LCD, 1024 x 768px, e outra com uma tela PixelQi, com menor reflexção de luz, permitindo melhor visualização ao ar livre.

Software e desempenho

Haverá uma versão Android no tablet mas não pode ser descartada uma versão Linux como parte integrante do sistema operacional OLPC Sugar.

O problema com o Android é o desempenho modesto do processador Marvell Armada PXA618, com 512MB de RAM e 4 GB de armazenamento interno.

Outro ponto interessante é a filosofia por trás da escolha dos aplicativos. Uma parte deles deverá ser desenvolvida pela comunidade open source dos países que receberem o XO-3.

De nativo mesmo só o brower, editor de textos e outros aplicativos essenciais.

Exemplo uruguaio

No Uruguai o governo de Tabaré Vazquez distribuiu milhares de laptops XO para os estudantes do ensino fundamental.

O custo final de “100 dólares” na verdade ficou em torno dos 260 dólares. Mas estão incluídos aí a manutenção, treinamento e conexão de internet.

Até agora já foram beneficiados 362 mil estudantes e 18 mil professores.

E no Brasil?

A One Laptop per Child já tem o know-how na criação, fabricação e distribuição de um laptop barato dirigido à educação, o modelo XO-1.

Não há dúvida de que o tablet desenvolvido pela OLPC pode ser uma boa opção para os países que desejam investir na educação fundamental.

Parece não ser bem o caso do Brasil, que prefere dar incentivos fiscais para que grandes fabricantes instalem suas montadoras por aqui.

O governo brasileiro, representado pelo ministro da Ciência e Tecnologia Aloizio Mercadante, deveria entender que o investimento em tecnologia e educação passa necessariamente pela expanção de um rede de acesso à internet barata e no incentivo aos desenvolvedores de programas e aplicativos.

Apesar de tudo, algumas ações tem sido feitas em conjunto com a OLPC. Como o do Laboratório de Estudos Cognitivos do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (LEC / UFRGS).

Em parceria com escolas estaduais ficou comprovado a importância de dispositivos eletrônicos, especialmente para a alfabetização dos alunos do primeiro nível.

///

Paz

J Paz Filho - Sou jornalista, trabalho na produção de conteúdo editorial e na criação, desenvolvimento e manutenção de websites - incluindo e-commerce. Tenho especialização em design gráfico na Unisinos e já fui editor de mais de uma dezena de jornais e revistas especializados. Faça um orçamento enviando uma mensagem no contato; ou por email.