Lá por 1995, quando os websites eram apenas algumas páginas estáticas com textos e imagens, ninguém se preocupava com a velocidade. Pra quê?

Acredite, para se criar um site era preciso apenas o Microsoft Word e o finado navegador Netscape! E dê-lhe código. Quase tudo era feito “na unha”.

Com a popularização dos CMS (Content Management System) a partir dos anos 2000, a internet mudou. De forma radical.

Hoje, uma simples página num blog pode conter dezenas de “solicitações” que incluem os estilos da página (css), códigos de terceiros (anúncios Adsense, por exemplo), serviços de comentários (Disqus) e muuuuito mais.

Por que o meu site está lento?

Não existe apenas uma resposta.

Mas depois de 6 anos com o meu Blog, consultas em sites com o pessoal especializado no assunto e conversas com equipes técnicas de hosts gringos, vou listar os principais problemas:

1 – Hospedagem > Sites demais

Sites demais em espaços de menos, nos planos compartilhados de hospedagem, são uma receita perfeita para a lentidão. Some-se a isso, configurações desatualizadas e máquinas defasadas.

2 – Hospedagem > Longe demais

Até há poucos anos, a escolha da localização do servidor era um item fundamental para quem se preocupava com a velocidade.

Mas pela minha experiência usando os serviços de hosts gringos e brasileiros, a localização já não tem taaanta influência assim.

Se escolher uma boa hospedagem brasileira pode sim fazer alguma diferença. Pena que os planos com mais recursos estejam tão caros.

3 – WordPress > Plugins demais

Quem usa WordPress (quase 22% da web) já deve saber que deve ficar atento ao uso de plugins. A hospedagem norte-americana WPEengine sugere uns 4 ou 5!

Ninguém precisa ser tão radical assim; o mais importante é saber escolher os plugins certos, que não roubem o tempo de abertura das páginas. Ou que abram apenas no final, como os anúncios do Adsense.

Fique atento para plugins que ficam enviando solicitações ao servidor, ainda que não estejam sendo usados em algumas páginas.

Para saber o que está deixando o seu site lento faça um teste de velocidade em serviços online.

4 – Imagens demais

Tem gente que ainda não dá importância ao tamanho e a resolução das imagens. Mas este é um dos principais itens que colaboraram na lentidão de um site. Plugins de compressão de imagens podem até ajudar, mas não são a solução definitiva.

Páginas de abertura enormes também precisam ser evitadas.

No final, o que importa mesmo é tentar manter reduzido o número de solicitações ao servidor.

Num Blog pequeno o número de requisições que chega ao navegador de um usuário é de 100, em média, mas num grande portal de notícias, de alcance mundial, pode chegar a inacreditáveis 6,500 pedidos, em 13 minutos, totalizando 100 MB, como é o caso de um grande portal indiano, citado neste post da revista norte-americana Forbes.

Numa conexão 3G cada solicitação leva em média 300 milisegundos para ser executada, (fonte Google). Então, numa página de um site de notícias, por exemplo, com 1000 pedidos, com 5 redes de publicidade e outros serviços diversos, levaria intermináveis 20 segundos para ser carregada, isso num PC com uma conexão de 15 Mbs.

Numa situação ideal, um site corporativo ou um blog de porte médio deveria ter no máximo 100 solicitações, equivalente a um tamanho de 5Mb e levando apenas 0,2 a 4 segundos para carregar no navegador.

Sites mais rápidos = mais visitas = mais receitas

Um atraso de 1 segundo no tempo de carregamento da página (fonte: Aberdeen Group):

  11% menos visualizações de página.

  Redução de 16% na satisfação do cliente.

  7% de perda nas conversões.

A Amazon afirma que aumentou sua receita em 1% na redução de 100 milissegundos na velocidade do seu site.

Um estudo da Akamai, empresa CDN, líder na distribuição de conteúdo na web:

  47% das pessoas esperam que uma página web seja carregada em dois segundos ou menos.

  40% abandonará uma página da web se demorar mais de três segundos para carregar.

  52% dos compradores on-line dizem que as cargas rápidas da página são importantes para sua lealdade para com um site.

Claramente, acelerar um site passou a ser uma das ações mais importantes para empresas, desenvolvedores e donos de websites — não apenas para se ter uma boa classificação nas pesquisas do Google, mas para se manter os lucros no e-commerce e no retorno com anúncios.

Websites lentos x Facebook rápido

Velocidade talvez seja uma das explicações do por quê o Facebook tenha tantos acessos diários. O motivo? Todo o seu conteúdo fica num mesmo ambiente, controlado e otimizado pela própria empresa.

O Google percebeu o problema e para tentar reduzir o tempo de acesso dos websites parceiros, aqueles que usam anúncios do Adsense, lançou o projeto AMP, Accelerated Mobile Pages, que pretende ser uma alternativa para aumentar a velocidade das páginas em dispositivos móveis.

Por enquanto, ainda não é uma solução definitiva. A razão? O AMP retira muitos recursos, principalmente os visuais, sem oferecer em troca muitas opções para designers e desenvolvedores.

Uma das razões mais importantes para se ficar atento à velocidade: o Google ranqueia com mais pontos os sites mais rápidos (SEO ranking). E a busca é a grande porta por onde chega a grande maioria dos usuários.

Aberturas mais rápidas = mais visitantes, novos ou retornando, maior tempo de permanência no site, maior número de páginas visualizadas e… maior lucro com anúncios e vendas de produtos e serviços.

Como escolher um servidor rápido?

Não existe solução mágica. Hoje, as opções de planos de hospedagem são muito mais amplas do que há uns 5 anos. Além dos planos de sites compartilhados e dedicados, agora existem os planos Cloud e VPS.

No final, para resumir, a equação é simples assim: pague mais e tenha mais recursos. Mas… faça uma análise bem detalhada das razões pelas quais o seu site está lento e quais as pequenas ações que poderiam aumentar a velocidade. Pois se vocẽ não consertar alguns problemas numa hospedagem compartilhada, muito provavelmente uma hospedagem de alto custo não vai resolver tudo.

O que aumenta a velocidade num servidor?

  Espaço dedicado. Indica que o seu site não fica junto com dezenas de outros, compartilhando recursos. É muito caro. Uma solução intermediária é a hospedagem VPS, na verdade um disco particionado que isola o seu espaço dentro do servidor. Se você não for um especialista só escolha um VPS gerenciado.

  Servidor localizado perto da sua audiência. Isso de certa forma pode ser minimizado através do uso de um serviço de CDN.

  Hardware atualizado. Assim como o seu PC, um host de qualidade está sempre atualizando as suas máquinas. E seus sistemas também.

Meu site está hospedado no WordPress.com. Preciso me preocupar com velocidade?

Se você usa os serviços de auto-hospedagem como o WordPress.com não precisa fazer nada para ter um site mais rápido. Eles mesmos se encarregam de fazer isso.

Como medir a velocidade do meu site
1 — YSlow

O melhor começo é usar o YSlow, uma extensão do Chrome, que fornece as principais ferramentas para a análise de uma página dentro do próprio navegador.

Basicamente, o YSlow faz uma análise do que está rodando numa página: HTML, JavaScript e outros itens interativos que compõem a maioria dos conteúdos dinâmicos. E, no final, ele ainda indica o que deve ser feito para se aumentar a velocidade.

Este talvez seja o retrato mais fiel de um website.

Como medir a velocidade do meu site
2 — Ferramentas online

Outra forma de se medir a velocidade de um site são os websites/serviços que analisam os principais elementos e indicam o tempo de cada solicitação (css, javascript, imagens, etc).

Boas ferramentas são o Pingdom, o GTmetrix e o UpTrends. Os dois últimos têm a vantagem de simular um host localizado em São Paulo e o GTmetrix ainda permite a gravação dos últimos testes, isso nas suas versões gratuitas.

Serviços como o Pingdom e o GTmetrix ainda entregam uma nota final, que serve como um guia de medição de velocidade e comparativo com outros sites.

Fique esperto: o que realmente interessa é o tempo de carregamento da página, não a nota final.

O que é importante observar ao medir a velocidade?

  Scripts, fontes e plugins que possam estar causando problemas de tempo de carregamento (HTML, Javascript, CSS).
  Minificação de scripts. A minificação (minification) funciona basicamente reduzindo-se espaços e informações desnecessárias de um código HTML, Javascript, CSS.
  Imagens, tamanho e resolução e pontos de estrangulamento na sua renderização (formação na página web).
  Determinando se você possui JavaScript de bloqueio de renderização ou CSSTesting Time to First Byte (TTFB).
  Tempo total de carregamento, o tamanho das páginas e o número de solicitações.
  Desempenho em diferentes locais. Só é necessário, óbvio, se o seu público estiver também em outros países.
  Velocidade de renderização em diferentes navegadores.
  Cabeçalhos HTTP.
  Desempenho da sua Rede de entrega de conteúdo.
  Ativos sendo carregados corretamente do seu CDN.

Serviços para aumentar a velocidade – o CDN

CDN (Content Delivery Network) ou, em tradução livre, rede de distribuição de conteúdo é um serviço que auxilia no carregamento mais rápido do conteúdo estático em um site (imagens, CSS, Javascript).

Na verdade, o CDN não é nenhum script como se poderia imaginar, são máquinas, servidores, espalhados por diferentes pontos geográficos. Quando um navegador carrega o conteúdo estático, a solicitação é encaminhada automaticamente para o servidor geograficamente mais próximo do navegador do usuário.

Os mais conhecidos são MaxCDN (pago) e CloudFlare (com versão gratuita). Infelizmente, poucos servidores oferecem este serviço, mesmo nos planos de hospedagem não compartilhada.

O Hostgator brasileiro chegou a oferecer o CloudFlare, via CPanel, que nunca funcionou e, hoje, a área técnica deles se comporta como se este serviço nunca tivesse existido. Nem dão alguma dica, se você decidir usá-lo. Uma pena…

Para quem usa o WordPress.com, pode habilitar no plugin Jetpack, o serviço Photon, que usa um CDN só para imagens.

Fique esperto: os CDN também são incrivelmente úteis na segurança, já que eles também servem como um filtro contra invasões.

Preciso de um serviço CDN, mesmo que o meu site esteja no Brasil?

Precisar meeesmo, não precisa, mas até o Google confirma que os CDNs reduzem bastante o tempo de carregamento das páginas.

J Paz Filho

J Paz Filho

Jornalista (PUC) /// Designer (Unisinos) /// Geek /// Produtor de conteúdo editorial ///Websites e e-commerce /// Editor de jornais e revistas
J Paz Filho