Miracast é um padrão de exibição de vídeos, sons e imagens, projetado para o espelhamento de um smartphone, tablet ou notebook em uma TV, monitor ou projetor, sem a necessidade de cabos HDMI ou de um roteador.

Resumindo: você pode transmitir qualquer coisa da sua tela diretamente para a sua TV digital, monitor ou projetor, sem usar cabos.

Tecnicamente falando, é um protocolo de transmissão de dados wi-fi — denominado Wi-Fi-Direct — com o aval/certificado de grandes fabricantes mundiais (Sony, Samsung, LG, Panasonic…), reunidos na organização Wi-Fi Alliance.

O Miracast permite a transferência de conteúdo de vídeo em alta resolução (suporta streaming de até 1080p), som surround 5.1 e proteção de dados no padrão WPA2, o que permite a transmissão de conteúdos protegidos, como vídeos blu-ray e Netflix.

Como o Miracast funciona?

O Miracast cria a sua própria rede wi-fi, não depende da rede wi-fi que você já tem.

É bem semelhante à configuração do bluetooth: só é necessário emparelhar dois (ou mais) dispositivos e pronto, tudo o que fizer no smartphone, tablet ou notebook vai aparece na tela da sua TV, monitor ou projetor.

Não é necessário instalar nada. No Android 4.2+ isso é feito através do recurso “Wireless display” ou “Display sem fio”.

Como saber se o meu aparelho tem Miracast?

A primeira coisa que você deve fazer é procurar o certificado Miracast na descrição do seu aparelho.

Tecnicamente falando, o Miracast exige três requisitos: suporte ao chipset sem fio; suporte ao sistema operacional e suporte ao driver.

Entre os fabricantes de tablets que já oferecem suporte ao Miracast dá para citar o Nexus 7 (Google), Acer A500, Sony Xperia Z2, HP Slate, Huawei, Surface 3 (Microsoft), Samsung, ZTE, Toshiba.

Entre os fabricantes de TV, a maioria dos modelos vendidos nos últimos anos já oferece suporte ao Miracast (Sony, LG, Panasonic, Toshiba, Samsung).

Quer saber se o seu tablet, smartphone ou tv tem Miracast?

Faça uma consulta aqui.

Quais são os requisitos mínimos de hardware e sistema operacional?

> Android 4.2 (KitKat) / Android 5 (Lollipop).

> Windows 8.1 / Windows 10.

> BlackBerry 10.2.1.

Fique esperto: infelizmente, o Google decidiu reduzir o suporte ao Miracast, a partir do Android 6 (Marshmallow)

> Sistemas operacionais mais antigos, como o Windows 7/8, distros Linux, como o Ubuntu, e com suporte ao padrão Wi-Fi Direct, em princípio, podem usar a conexão Miracast, mas dependem de aplicativos de terceiros, o que acaba resultando numa experiência nem sempre positiva.

> Notebooks e tablets com Intel Core i4 e Core i5 e os processadores Intel com chips 7260 com tecnologia WiDi.

> Notebooks com AMD de terceira e quarta gerações com tecnologia AMD Wireless Display.

> Smartphones — quase todos os novos modelos — com suporte do Android para Miracast.

> A Apple, em princípio, não oferece suporte ao Miracast. Para espelhamento e transmissáo de vídeos/fotos/apps a empresa usa a tecnologia AirPlay, que só funciona se você comprar um box Apple TV.

Fique esperto: o Miracast não é compatível com os dispositivos da Apple: OS X e o iOS.  ou seja,  os MAC, iMac, MacBook, iPod Touch,  iPhone e iPad.

Mas… poderia funcionar num MacBook Air, rodando o Witcher 3, com placa Nvidia GeForce Now. Uhmm… quem vai usar isso?

> E, finalmente, para completar a conexão, não esqueça que a sua TV também precisa suportar o Miracast.

Leia mais aqui no Blog:

  Tudo sobre o Chromecast – saiba como usar

 5 segredos para tirar o máximo do seu Chromecast

 Microsoft Display x Chromecast. Saiba qual a melhor compra

 Pensando em comprar uma TV 4K? Tire todas as suas dúvidas aqui

Todos os dispositivos e tvs funcionam da mesma maneira?

Um dos maiores problemas do protocolo Miracast é que — na prática — não existe um padrão, nem certificado.

Assim, um dispositivo Miracast talvez não consiga se conectar com uma tv Miracast. Semelhante ao padrão DNLA,  no qual só os aparelhos da mesma marca conseguem uma conexão livre de incompatibilidades e bugs.

Outro problema é que a norma não obriga os fabricantes a usarem a marca Miracast.

A LG usa “Smartshare”, “ScreenShare”;  a Samsung “AllShare Cast” ou “Screen Mirroring”;  a Sony “Screen Mirroring”; a Panasonic “Display Mirroring”.

Não é difícil entender o motivo: as empresas tentam “impor” uma venda casada. Desse modo, o comprador de um tablet Samsung só poderia comprar uma tv Samsung, os dois aparelhos com o padrão “AllShare Cast”  —  que na verdade é Miracast,  e que talvez não funcione mesmo em outra marca…

Vá entender esse mundo fora da Apple!

 

Miracast ou Chromecast?

No Chromecast você só fica conectado por alguns momentos, até que os dados do tablet ou smartphone sejam enviados e armazenados pelo dispositivo.

No Miracast os dois dispositivos precisam estar sempre ligados, porque a conexão depende sempre do sistema operacional (Android, Windows Phone ou BlackBerry).

Pela mesma razão, o Chromecast também tem a vantagem de deixar o usuário livre para outras ações multitarefa, como navegar na internet, editar um texto, etc.

Isso pode estar mudando. O LG G2, o Sony Xperia Z, e o Optimus G Pro são os primeiros smartphones que oferecem Miracast multitarefa, permitindo espelhar sua tela enquanto você continua a navegar no smartphone.

Além disso, o Miracast é bem mais dinâmico para reproduzir aplicativos de vídeo e música e conteúdo protegido por DRM.

Infelizmente o Miracast não está totalmente livre de algum “travamento” nas conexões e isso precisa ser corrigido nas próximas versões deste protocolo.

O Chromecast também trava, mas o delay talvez seja um pouco menor.

Obs: isso é péssimo para quem quiser jogar mas para assistir vídeos não vai fazer tanta diferença.

Miracast x Chromecast x Apple TV

Diferentemente do Chromecast (do Google) e do Airplay (Apple TV) — a tecnologia Miracast funciona “apenas” como um espelhamento do tablet, smartphone, ou notebook.

Ou seja, enquanto você roda algum vídeo, imagem ou som, não pode usar o seu dispositivo para outras tarefas.

Com o Chromecast, a Apple TV, e outros dongles, os dados são enviados para estes dispositivos, que armazenam estas informações, assumem o comando e começam a “trabalhar” diretamente com a TV.

É por esta razão que, neste caso, você pode voltar a usar o tablet/smartphone normalmente, enquanto o conteúdo que você enviou fica “rodando”.

No Miracast o smartphone ou tablet precisa ficar “travado” naquilo que estiver sendo transmitido. Ou seja, só funciona através de um espelhamento.

Mas existe uma grande vantagem: você não precisa comprar nenhum dongle, não precisa de internet, nem fica preso à conexão de um roteador.

Por isso, dá para assistir a um filme no quarto de um hotel ou fazer uma apresentação no escritório da sua empresa — com a única condição de que a TV também disponha do recurso Miracast.

Obs: alguns fabricantes já estão oferecendo aparelhos com Miracast capaz de realizar várias tarefas independentes e ao mesmo tempo (veja abaixo).

E se eu não tiver Miracast?

Para quem não possui um dispositivo com tecnologia Miracast,  existem no mercado inúmeros aparelhos — chamados dongles — que podem ser encaixados numa porta HDMI da TV.

Já dá para encontrar vários fabricantes de dongles com Miracast: Microsoft, Belkin, Asus, EzCast, LG, LeMe —  sem contar dezenas de outros made in China.

Os preços variam entre 30 e 80 dólares.

Minha dica: se você não usa o Windows, melhor mesmo é comprar um Chromecast.

Fique esperto: Chromecast/Ezcast ou Chromecast/Anycast não existem,  como fazem parecer alguns vendedores do Mercado Livre. Ezcast ou Anycast são um produto; Chromecast é outro.

Adaptador da Microsoft: custa 60 dólares e funciona no Windows Phone  8.1 e Android 4.2 +

J Paz Filho

J Paz Filho

Jornalista (PUC) /// Designer (Unisinos) /// Geek /// Produtor de conteúdo editorial ///Websites e e-commerce /// Editor de jornais e revistas
J Paz Filho